10/02/2018

Uma lojinha muito fofa!

Banner da Loja Blah.
A Loja Blah é uma loja online de produtos importados com cada coisa maravilhosa. No seu catálogo constam itens desde decoração até moda feminina. Com frete grátis em quase todos seus produtos, a Loja Blah tem um dos melhores preços do mercado e entregas super confiáveis e pontuais. No site também é possível alterar a moeda entre o Real, o Euro e o Dólar.

Luminária Unicórnio, disponível nas cores branco e colorido, disponível no site.
Todo o site, assim como o instagram da Loja Blah tem preços super em conta, com produtos "Tumblr" e muito fofos. E o melhor, se você usar o cupom de desconto jaaos20, você ainda ganha 15% de desconto sobre o valor total da compra, ou seja, o que já era barato, fica ainda mais em conta.

Pantufas de Unicórnio disponíveis no insta. Estou apaixonada, pois amo unicórnios *-*
Para quem gosta de produtos importados e nessa pegada mais vintage/tumblr, vai adorar a loja, super recomendo. Além do site, a loja ainda tem o Instagram com produtos variados e muito lindos, na mesma pegada do site.

07/02/2018

Tight Lacing

Fotos por: Google e Tight Lacing & Fitness
"O que é Tight Lacing? Posso comprar do AliExpress? Ah, mas meu instrutor de academia disse que o certo é exercício dia sim, dia não, porque tenho que fazer todo dia então?"

Essas são perguntas que eu vejo muito nos grupos de Tight Lacing que eu participo no facebook e isso me deu a ideia de vir aqui falar dessa técnica afinar a cintura com o uso de um corset.

Tight Lacing, ou Técnica do Laço Apertado tem seus dados históricos desde o século XVIII, mas tem se popularizado bastante aqui no Brasil nos últimos anos, com isso grandes dúvidas e controvérsias se espalham pela internet.

Como eu disse ali em cima, o Tight Lacing é uma técnica de modificação óssea permanente, onde você molda suas costelas flutuantes, seus dois últimos pares, para dentro, afim de se obter uma silhueta mais fina, em forma de ampulheta.

O corset molda os dois últimos pares de costelas, qualquer modificação fora dessa área é prejudicial a saúde.
Mas não é só pegar o corset, vesti-lo e apertar até o tato e tudo feito. É preciso avaliação e acompanhamento médico, fazer todos os dias 300 abdominais e 150 repetições de exercícios para lombar. Também é preciso disciplina, paciência e foco, pois o Tight Lacing é progressivo. Você vai apertando o corset aos poucos para o seu corpo ir se acostumando.

É imprescindível que se faça os exercícios. Eles fortalecem os músculos da região do abdome e evita que o músculo fique sem forças e a barriga fique flácida. Isso traz grandes problemas, como fortes dores e não conseguir mais ficar sem o corset.

Além de afinar a silhueta, o corset também dá um ar mais sexy para qualquer look com que ele for combinado
Comentário feito por Sher, dona da grife Madame Sher, uma das mais conceituadas no Brasil:

"... o tight-lacing trabalha de 3 formas:

1º Na camada de tecido adiposo. A gordura tem pouca irrigação sanguínea e células frágeis que podem chegar a morrer e ser reabsorvidas pelo corpo dependendo da pressão exercida sobre elas. Essa pressão precisa ser considerável para surtir efeito a médio prazo, mas a LONGO prazo até elásticos de calcinha podem marcar o corpo de forma praticamente definitiva.

A médio prazo como num treino de tight-lacing que dura em torno de 2 ou 3 anos para a maioria, o único efeito considerável no tecido adiposo que temos é nas áreas de pressão extrema, como na cintura e em alguns modelos em menor escala nos flancos. Isso é facilmente observável pelo fato de que o desenho sutil de busks e barbatanas não se transferem definitivamente para o corpo, sumindo após poucas horas de remoção do corset.

2º Nas costelas flutuantes e cartilagem das costelas falsas. O primeiro caso se dá através do curvamento (sem prejuízo para o corpo) dos dois últimos pares. Também é possível reduzir o tórax através da deformação da cartilagem que liga as costelas ao osso esterno, sendo essa segunda modificação desaconselhável por reduzir expansão torácica e consequentemente capacidade respiratória, fora outros males que um médio pode descrever em maiores detalhes.

3º Na camada muscular impedindo hipertrofia exagerada dos músculos oblíquos. Nesse caso o efeito é melhor observado em mulheres de perfil esportivo."

Obs: Retirado do grupo Tight Lacing & Fitness no facebook.


Caroline Kelley, 60cm não fixos de cintura. Treina a pouco mais de 1 ano com um underbust básico, complementando com dieta balanceada e musculação.
Para poder praticar sem risco a saúde, você precisa passar pelo Ortopedista, Angiologista e um Gastro. É necessário pedir exames de rotina para ver se não tem nenhum problema que possa ser agravado.

Pessoas com asma, pedra na vesícula ou nos rins, problema nos ovários ou em qualquer órgão nessa região também é necessário ir nos seus respectivos médicos ver se é liberado e continuar fazendo o acompanhamento de perto.

O grupo Tight Lacing & Fitness, além do grupo no facebook, clique aqui, também tem o blog, clique aqui. Então se se interessou pela prática, acesse e pesquise bastante, tanto sobre a prática, quanto sobre a grife que escolher.

26/06/2017

Inspiração: Looks de Inverno


A 5 dias atrás começou a minha estação do ano favorita, o inverno. Sempre preferi o frio e os look's lindos que ele traz. No verão eu só tenho vontade de me jogar dentro de uma piscina de gelo, ainda mais por morar no Rio de Janeiro, onde parece ser verão até no inverno infelizmente.

Porém, para minha felicidade, tem estado mais fresco a cada dia e como eu adoro procurar look's de inspiração, decidi trazer alguns de inverno para vocês. É cada look mais lindo que o outro. Estou simplesmente tão apaixonada que só queria poder me comprar todas as peças para montar os meus.











Se tem algo que eu amo são saias, shorts e vestidos e nada melhor que combiná-los com meias-calças. Além de um look super charmoso, para mim, dá um toque sexy e romântico a combinação.



24/06/2017

Lev - O E-reader da Saraiva!


A algumas semanas eu ganhei de presente o Lev. Eu estava a muito tempo querendo um leitor digital por motivos de: eu leio muito rápido e tinha que carregar comigo uns 3 ou 4 livros por cada vez que ia passar o fim de semana fora e, não bastando o peso das minhas coisas, os livros em geral pesavam bastante por serem a maioria com mais de 400 páginas. Sem contar também que eu nunca tive tanto espaço e sempre gostei de ter muitos livros, então chegou uma hora que não tinha mais onde por livros.

Eu também tinha a opção de ler no celular ou no computador, como eu já fiz algumas vezes, porém eu trabalho com computador e já mexo muitas horas seguidas para passar ainda mais tempo forçando a vista e a coluna. Eu estava começando a perceber que precisava de uma pausa da tela do computador, mas sem algo que eu pudesse me distrair isso seria impossível, então meu marido me deu o leitor digital.

Muita gente na hora de comprar um e-reader pesquisa muito para saber qual é melhor e tal. Eu acabei pesquisando um pouco sim, mas não tanto. Desde o início eu queria o Lev, estou muito acostumada a comprar na e da Saraiva. Só fiz uma pesquisa rápida mesmo para saber qual leitor aceitava melhor arquivos PDF.

Eu prefiro sempre comprar os livros, mas, sejamos sinceros, livros tem ficado muito caros e eu tenho uma necessidade de ler incontrolável, então sempre acabo baixando os livros em PDF e depois comprando pelo prazer de ter. Sem contar também que eu leio livros de 300 páginas mais ou menos em um único dia, as vezes livros maiores dependendo da minha curiosidade e vontade de mergulhar na história, então não dá para comprar livros novos todos os dias né!


Não consigo decidir o que mais me encantou no Lev, se foi seu peso, sua tela maravilhosa ou o fato de eu poder baixar livros na internet no formato dele, o ePub. Não sei se esse é o formato de outros e-readers, mas no da Saraiva, se você baixar o livro em ePub ao invés de PDF, a tela se ajusta melhor do que o imaginado, fica como se eu tivesse comprado o livro na loja dele.


O Lev Fit tem incríveis 130g. Escolhi pelo modelo sem luz devido a problemas de $$$, porém mais para frente planejo comprar o Lev Neo, que possui iluminação interna.

A tela E Ink@ do leitor parece um papel, como minha melhor amiga disse, parece que a interface está desenhada nele. Ela oferece muito conforto na leitura em qualquer ambiente. Por não ser branca e sim em tons de cinza, não é tão incômodo a luz do sol, mas é bom evitar, pois pode sim atrapalhar e ser um pouco mais difícil a leitura caso o Lev esteja diretamente com a tela voltada ao sol.

A bateria é algo que me surpreendeu. Para um aparelho tão fino e leve, ela dura mais do que o esperado. Não cheguei a contar os dias exatamente, mas durou uma boa semana no mínimo, mesmo comigo lendo várias horas do dia.

Esse é o novo modelo do e-reader da Saraiva. Eu não sei as especificações do anterior, mas o modelo em si mudou bastante.

A resolução do Lev Fit é de 600 x 800px e a do Lev Neo é HD 758 x 1024px. Outra coisa que muda de um para o outro é a memória interna, eles possuem 4Gb e 8Gb respectivamente, porém ambos possuem entrada para Cartão SD de até 32Gb, o que é bastante, considerando que o meu com 4Gb, de acordo com o site oficial da Saraiva cabem até 4 mil livros no formato ePub, fora o cartão expansível.

A tela touch faz com que seja fácil mexer nele, porém eu particularmente não gosto por ele possuir apenas um processador fraco, apesar de ser suficiente para livros, que faz com que seja um pouco lento o tempo de resposta e com que trave as vezes e não responda ao seu toque, por isso prefiro usar os botões laterais na hora da leitura.


Essa é a tela inicial do Lev. Quando você está lendo livros no formato ePub, ele te dá a previsão d tempo que você levará para terminar aquele livro. Eu já demorei mais tempo, assim como já terminei horas mais rápido que a previsão. Minha opinião é que ele vai se ajustando ao tempo que você leva para ler, com base nas leituras anteriores, já que agora, depois de uns bons 10 livros lidos ou mais, tem sido o tempo quase certo que eu levo para ler.

Caso você esteja procurado algum e-reader para ler exclusivamente PDF, o Lev tem o recurso PDF Reflow. De acordo com a Saraiva, esse recurso rearranja todo o texto que possua imagens ou gráficos simples, não de duas colunas, para que seja aproveitado o máximo da tela. Porém, assim que eu comprei, não sabia que o formato dele era ePub e baixei o livro que queria ler em PDF e eu não gostei muito de como ficou. No site e em diversas resenhas que eu li, diziam que esse recurso faria com que as letras não ficassem tão pequenas a ponto de ter que ampliar a tela, tendo assim um aproveitamento melhor da leitura, mas comigo não foi o que aconteceu. Precisei sim ampliar a tela para uma leitura agradável.


Mas eu sou meio escrota e comecei a mexer nos arquivos internos dele pelo computador até achar o formato padrão dos livros dele, e como é ePub, no mesmo site que eu baixo os livros em PDF, disponibiliza o ePub. Como eu só utilizo ele para livros comuns, não fez diferença, mas caso você prefira para apostilas, já é mais complicado, apesar dele ainda ser a melhor aposta para ler arquivos PDF.

O meu aparelho vive mais em forma de descanso, já que para desligar ele é meio chatinho, mas, mesmo em descanso, a bateria dele dura muito. Sem contar que cada vez que você o põe em modo descanso, é uma imagem diferente. A minha favorita é a de uma xícara num ambiente todo fofo.

22/06/2017

Playlist: Velhos Tempos


O post de hoje deveria ser a resenha sobre o Lev da Saraiva, porém eu não consegui tirar as fotos necessárias, quando pude já era noite e a luz artificial não estava favorecendo em nada, mas como eu não queria deixar vocês sem post hoje, decidi trazer uma playlist com umas músicas antigas que eu tenho escutado a alguns dias. São músicas muito boas, que valem a pena ouvir.

Gosto de ouvir algumas para escrever, e outras mais agitadas para dançar e coisas do tipo. São as minhas músicas favoritas, e as suas, quais são?


20/06/2017

Corte de Névoa e Fúria - Resenha



Qualidade: 
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera
Ano: 2016
Páginas: 658
Onde Comprar: SaraivaAmazonSubmarinoAmericanas
Baixe o PDF Aqui
Baixe o ePUB Aqui

Sinopse: O aguardado segundo volume da saga iniciada em Corte de espinhos e rosas, da mesma autora da série Trono de vidro.
Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.

A um tempo eu fiz um post sobre o livro Corte de Espinho e Rosas, eu me interessei pelo livro pois quando li sua sinopse na pré-venda, veio escrito que era baseado em A Bela e a Fera e Game of Thrones. Quem acompanha o blog a um tempo sabe que eu sou apaixonada por qualquer história de A Bela e a Fera, e, mesmo nunca tendo visto Game of Thrones, sei que é bom e quero ler os livros.

Eu fiquei super ansiosa para ler, e, assim que lançou, eu baixei a degustação do livro com o primeiro capítulo e me apaixonei. Fiz de tudo até conseguir comprar o livro. Quando eu li Corte de Espinho e Rosas imaginei que não pudesse haver outro livro melhor que esse, estava totalmente apaixonada e fascinada, até que eu li Corte de Névoa e Fúria.

No início eu tinha baixado o PDF no celular para ler, mas eu não estava bem a acabei achando o livro chatinho e parei de ler. Tentei duas vezes e nada, até que ganhei meu Lev (terá post em breve). Baixei o ePUB, pois estava louca para ler um livro nele e não estava conseguindo acessar a loja, então acabei baixando Corte de Névoa e Fúria e decidi ler ele todo. Me arrependi de não ter lido esse livro perfeito antes.

Toda a concepção da história de Corte de Espinho e Rosas que tinha se formado em minha mente mudou de uma forma tão forte que eu me vi simplesmente fissurada por essa mudança que aconteceu. Eu nunca havia lido um livro que tivesse uma mudança tão forte e esclarecedora. Foi algo totalmente novo que me deixou extasiada com o clímax do livro.

As feridas deixadas por Amarantha em Sob a Montanha, foram mais profundas do que Feyre queria admitir. Ela morreu em Sob a Montanha e achava que era impossível se concertar, não com Tamlin tão quebrado quanto. Ela escondia seus pesadelos e pânico de Tamlin, mas não conseguia se erguer. Ele estava tão morto por dentro quanto ela. A protegia e a queria como a noiva perfeita que Ianthe a ajudava a ser, mas ainda existia um contrato, um acordo a ser seguido com Rhysand, mas havia meses que ele não aparecera reivindicando o acordo feito entre eles Sob a Montanha, e Feyre torcia para que ele tivesse esquecido.

Feyre nunca fora a donzela em perigo, isso foi deixado bem claro em Corte de Espinho e Rosas, e em Corte de Névoa e Fúria isso só foi confirmado.

13/04/2017

Floresta Proibida - Capítulo 1



Depois de muito tempo sem postar nada, hoje eu trouxe o primeiro capítulo do livro que eu estou escrevendo. A algum tempo atrás eu postei o prólogo dele e algumas pessoas disseram que queriam ler e eu fiquei muito animada com isso, então resolvi postar o primeiro capítulo que eu acabei de reescrever e melhorar, então me digam o que acharam por favor <3

E se você não leu o prólogo, é só clicar aqui!

O sol já começou a se pôr. Não sei por quanto tempo ao certo fiquei aqui na floresta, mas com certeza fora um tempo considerável. O sol ainda estava alto no céu quando cheguei na clareira. Todos já devem saber onde estou. E, com certeza, estão me chamando de bruxa. Se você não mora em uma cidade pequena, parabéns, porque olha, é um inferno. E é pior ainda se sua minúscula cidade tem costume ainda que medievais em algumas coisas, mas sem abrir mão da tecnologia, pois é, vai entender.

Eu acho que, com tanta tecnologia hoje, eles deviam saber que essa coisa de floresta amaldiçoada e de monstros como vampiros, não existem. E que eu não sou uma bruxa só por gostar da natureza. Mas aqui em Deverly é assim. Eles acreditam que tudo isso da mitologia existe, mas não eu, afinal é mito.


Eu sou a única garota ruiva natural da cidade atualmente, então para eles, isso já é mais do que suficiente para que eu seja uma bruxa. Junte isso ao fato de que o meu parente ruivo mais próximo está morto a algumas décadas e meus pais terem cabelos tão pretos quanto o céu noturno, e pronto, a população de apenas 4.568 pessoas acredita firmemente que foi o diabo quem me mandou. Como se eu acreditasse em diabo, ou em qualquer uma dessas baboseiras. Não me leve a mal, mas depois de tudo o que eu vi que essa gente é capaz por dinheiro, não consigo acreditar em nada do que dizem, muito menos na religião que eles pregam tão fortemente. A não ser que me provem o contrário.

As vezes acho que até meus pais acreditariam nessa baboseira se eles se preocupassem com alguma coisa a não ser o próprio dinheiro. Claro, eles freqüentam a igreja da cidade, dão dízimos e ajudam na congregação, mas por puro interesse já que a igreja basicamente move a cidade, junto com o dinheiro da parte rica da cidade. E sinceramente, isso me irrita. Pessoas sem um pingo de compaixão, de empatia, apenas se importam com seu próprio prazer e luxo.


Sim, eu não sou perfeita, sou a pior pessoa do mundo para muita gente, mas não por fazer mal a outras pessoas, e sim apenas por não fazer o mesmo que eles fazem por dinheiro. Nem todas as pessoas da cidade são ricas. Apenas uma pequena parcela, eu diria que uns 20% no máximo, porém eles controlam a cidade inteira e ai de quem se meter em seus caminhos. Por mais que eu faça parte desses 20%, eu não me encaixo no meio deles, então prefiro ficar aqui muitas das vezes. O barulho da cidade não me atrai. Suas fábricas e amontoados de pessoas só me deixam agoniada.

Porém, acontece totalmente o oposto aqui na calmaria da floresta. Os únicos sons são do riacho mais a frente, que corre calmo em rumo ao sul, o vento chacoalhando a copa das árvores tão verdes que parecem saídos de uma aquarela e os pequenos animais que habitam a natureza esplêndida ao meu redor, pequenos cervos, coelhos de todas as cores, sapos, a diversidade imensa de pássaros e muitos mais animais pelos quais eu seria capaz de largar a cidade se eu pudesse somente viver aqui na companhia deles. Sempre gostei daqui. Em todos os meus 17 anos, desde os 5 eu venho aqui. É meio difícil acreditar, eu sei, mas quando seus pais nunca estão presentes e você tem que se desdobrar para se livrar dos empregados que ficam na sua cola, você acaba se tornando muito auto-suficiente.

Sempre foi assim. E não é só pelos meus cabelos ruivos que eu não me pareço em nada com meus pais, enquanto minha mãe gasta rios de dinheiro com plásticas e tratamentos caros a fim de ter sua aparência de 15 anos atrás de volta, eu tenho uma pele pálida e lisa, sem as manchas de espinhas que é própria para a minha idade, mas um motivo de dizerem que tenho um pacto com o diabo. Meu corpo é magro, mas com curvas delicadas, enquanto minha querida mãe tem tanto silicone que não sei mais diferenciar o que é falso e o que é verdadeiro. Meu cabelo é de um ruivo quase loiro, liso com umas poucas ondas do meio até as pontas na altura do busto, enquanto que os dos meus pais são bem cacheados. Fisicamente eu poderia ser facilmente filha de pessoas totalmente diferentes.


E eu não me importo com o dinheiro, não me importo no que as pessoas vão pensar se eu fazer alguma coisa. Já eles só ligam para as aparências, assim como todos nessa cidade. Chega uma hora que cansa. Eu não vejo a hora de acabar o colegial e ir para a faculdade, e isso significa sair de Deverly e ir para Nova York.

Não que eu não goste da minha cidade, mas ela é totalmente isolada do mundo. A cidadela mais próxima fica a 200 km ao sul. Ao norte, tem a praia, leste, o mar aberto que se junta a praia e ao oeste, minha tão amada floresta. Ela é de proporções gigantescas e eu devo conhecer somente uns 10% de toda a extensão dela.

Meu local favorito é a clareira em que estou. Uma campina aberta de mais ou menos 100 m² com uma grama de um verde que não se vê na cidade. Ladeada com diversas árvores como pinheiros, carvalhos e diversas árvores frutíferas. Sem falar na lua maravilhosa que começava sua ascensão no céu noturno, derramando uma suave luz prateada no chão verde. Mesmo com toda essa beleza, nenhum morador de Deverly se arriscaria a chegar perto da floresta. Chega a ser hilário já que nunca me aconteceu nada de estranho na floresta. Exceto a vez que eu vira um par de olhos humanos escarlates.

Foi uma única vez, à 8 anos atrás. Mas eu não senti medo. Ao contrário, senti que, quem quer que estivesse por trás dos olhos rubros, me protegeria a qualquer custo. Sei que é loucura, mas foi o que eu senti, portanto que assim que ele ou ela percebeu que eu o avistara, se afastou e nunca mais tornei a ver seus olhos. Tentei de todas as formas, porém quem quer que me observasse com eles, fora cuidadoso o suficiente para não me permitir notá-lo novamente. Mas sei que ainda me vigia, posso senti-los me observando de longe. Sentir a sensação de que algo está ali.

Já passa das 21:30. Infelizmente preciso voltar ao barulho da cidade, por mais que eu ame ficar na floresta, amanhã eu tenho aula e, se eu quiser sair dessa cidade um dia, não posso faltar.

O caminho é tranquilo, com uma trilha suave até a saída da floresta, cheias de árvores floridas. Me pergunto como as pessoas dizem que esse lugar mágico seja amaldiçoado. Talvez seja por isso, por ser tão mágico eles não conseguem ver sua beleza. Por ser tão precioso e magnífico, eles temem sua imponência, pois sabem que na natureza, seu dinheiro e ganância de nada valem.

O barulho de um farfalhar de folhas desconhecido me tira de meus devaneios. Viver tanto tempo na floresta te faz conhecer os jeitos, ruídos e barulhos de tudo a sua volta e, com certeza, esse quebrar de folhas secas no chão não eram de patas comuns. Na verdade pareciam mais passos de pés humanos. Pés extremamente rápidos e duros que nenhum animal que eu conheça tenha. Nem mesmo humanos tem passos tão duros e ritmados dessa forma.


Um alarde de perigo começou a zunir em meus ouvidos como uma sirene em incêndios. Eu nunca tinha sentido algo do tipo antes. É como se um sino natural de que algo estava terrivelmente errado soasse em meus tímpanos e fizesse meu corpo responder com um pavor horripilante. Todos os meus sentidos ficavam a cada instante mais e mais em alerta, de acordo que o som se aproximava.

O farfalhar estava mais alto e mais forte a cada segundo e, por mais que eu quisesse correr de volta para a cidade, meus pés tinham se fincado ao chão, como as raízes das árvores ao meu redor. Eu não conseguia me mexer, não era capaz de fazer minhas pernas me responderem por mais que eu tentasse. O que se seguiu foi algo totalmente inacreditável.

Há 30m de mim estava uma criatura humanóide. De pele cinzenta, olhos âmbares como os de um felino e garras gigantescas nos pedaços de carne e ossos que eram suas mãos. Estava parado me olhando com uma fome violenta, não conseguia ficar ereto. Sua coluna era curvada, seus membros tortos e sua feição grotesca.

Da sua boca machucada e ensanguentada, estavam expostos dois caninos extremamente alongados e pontiagudos. Exatamente como os de um vampiro. Criatura que nunca acreditei que existisse. Porém, aqui estava eu frente a frente com um monstro humanóide com presas vampirescas.


Era surreal, por mais que meus olhos o vissem bem ali, a alguns metros de distância, eu não conseguia acreditar que fosse real. Sua pele extremamente acinzentada deixava os ossos a mostra, como se não existisse carne por baixo da pele que parecia apodrecida. Parecia fazer grande esforço para se manter em pé. A curvatura de sua coluna era algo bizarro e assustador, assim como o sibilo que saia de seus lábios como um assobio baixo, que vinha do fundo de sua garganta. Seu aspecto era de um animal faminto, como se não comesse a meses e suas íris âmbares de fendas me encaravam como se eu fosse a sua refeição.


Qualquer pessoa em sã consciência teria corrido o mais rápido o possível, mesmo que meu sentido me dissesse que não adiantaria nada, pois a criatura seria mais rápida que eu. Porém eu não me mexia. Nenhuma parte do meu corpo me respondia, estava totalmente paralisada, uma presa fácil. Chegava a ser engraçado. Enquanto minha mente estava a mil, olhando para a criatura, minhas células não sabiam mais o que era se moverem.

A fera avançou com uma velocidade sobre-humana para mim, mas parecia que alguém tinha diminuído a velocidade do tempo. Enquanto a coisa avançava com seus dentes expostos em minha direção, eu era capaz de perceber todos os mínimos detalhes do que acontecia. Antes que eu sentisse suas presas em mim, um par de mãos me empurrou fortemente. Bati forte contra um carvalho a poucos metros de mim e tudo o que eu conseguia sentir era a dor que irradiava da minha cabeça e se espalhava por cada centímetro do meu corpo. Alguém havia me salvado. Me esforçava para tentar entender a cena que se seguia à minha frente, porém minha vista estava turva e embaçada devido a pancada. Dor irradiava da minha cabeça em direção ao restante do meu corpo e a cada segundo era mais difícil me manter desperta. Não queria desmaiar, precisava saber quem era que havia me tirado do caminho da criatura, porém minha vista já não focalizava mais nada.

Já sentia minhas forças me abandonando, sabia que desmaiaria a qualquer momento. A dor era insuportável demais. Minha cabeça latejava de forma que parecia prestes a explodir nesse instante. Senti uma mão humana em minha testa e a dor se esvaiu quase que instantaneamente, forcei minha vista ainda turva a tentar focalizar o borrão a minha frente porém a única coisa que eu consegui ver foram os mesmos olhos escarlates de 8 anos atrás. A mesma cor que me vigiava escondido em meio aos galhos mais altos das árvores. A dor em meu corpo já havia cessado, mas senti-me extremamente cansada e pouco a pouco a escuridão tomou minha relutante consciência.